sexta-feira, julho 13, 2007

13º Dia...

Mulher so da valor nas coisas quando perde...e vice e versa!!!


11/07 - Segunda-feira: 13º dia...Cotopaxi


Meia-noite hora de levantar ,um frio do caramba ,demoramos um certo tempo para nos vestirmos. A bota plástica requer um esforço considerável para ser vestida, e ninguém quer se esforçar sem necessidade a 4800 m de altitude.

Lentamente nos calçamos, colocamos as cadeirinhas e preparamos nossas lanternas de cabeça e crampons. Saímos às 01h30, depois de tomarmos mais um pouco de chá.
Lá fora muito escuro, muito vendo, estava com medo..todo mundo em silencio, escutávamos apenas o barulho do vento e dos equipamentos batendo um no outro...



é estávamos começando a nossa subida....

O ataque...1º Parte...

O Ivan e a Larissa seguiram na frente com o guia Aníbal, mais conhecido como Mono. O Maurício e o Bulhões seguiam atrás, com o guia Alberto. Por último seguia Eu com o Agama. O Coto, cachorro do filho do Eduardo Agama, geralmente fica amarrado no Campo Alto. Mas naquela madrugada ele foi conosco. Achei que o cachorro estava acostumado a subir com os turistas, até porque nos dias anteriores ele tinha feito uma trilha de aclimatação conosco num outro vulcão...


Caminhamos por cerca de uma hora até chegarmos na linha da neve, porem era uma caminhada num terreno muito arenoso, cansava e muito , quando chegamos no limite da neve, colocamos nossos crampons. Uma armação de ferro cheio de cravas para fixar no gelo.

O equipamento era, numa mão o piolet, na outra mão um bastão de caminhada, o guia ia na minha frente quase que me arrastando, estava muito complicado para subir, pois a pilha da minha lanterna havia acabado e estava me orientando pela luz da lanterna do Guia, sendo assim eu não enxergava as pisadas dele, e isso me cansava mais ainda pois eu tinha que ir fazendo minha própria pisada , até que o Guia ágama me arrumou uma lanterna de cabeça razoável.Mas mesmo assim o cansaço era intenso, de certa forma não estava lá preparado fisicamente 100% para essa escalada.



Toda vez que eu olhava para cima, via as luzes das lanternas dos meninos um pouco a minha frente. E pensava, ahh eles estão bem perto.Em determinado momento a Larissa e o Ivan pararam, tentando arrumar alguma coisa. O guia Ágama parou e ajudou a larissa a arrumar a bota dela que estava machucando o seu pé. Nisso o Bulhões e o Mauricio junto com o guia deles o Alberto assumiram a frente.

Caminhamos por mais alguns metros eu estava bem atrás com o guia, estava muito complicado a subida, não sabia o que ia ser tão complicado subir nas escuras, lembro-me que quando parava para descansar um pouco, via apenas o branco da neve e no horizonte tudo negro, branco era apenas onde tinha gelo...


logo mais frente Larissa disse que queria voltar porque estava complicado e estava passando muito mal. Nisso o Guia Ágama disse que era melhor eu também voltar pois ele achava que eu estava passando mal, por estar bem lento. Olhei para ele e disse que não iria voltar, pois estava me sentindo bem, e o que estava pegando era porque estava cansado, mas nada de sentir-me mal. Ele ainda insistiu mais um pouco, pois ele iria descer com a Larissa e depois não haveria mais como descer sozinho, apenas com o grupo inteiro.

Eu afirmei que estava me sentindo bem e que dava para continuar. Nesse momento eu fui encordado no lugar da Larissa, sendo que ficou O Guia na ponta eu no meio e o Ivan no final. A Larissa nos desejou boa sorte , nos despedimos dela e continuamos a jornada subindo as alturas. Nesse momento o Mauricio e o Rodrigo já estavam bem mais na frente , nem sabiam o que estava rolando lá embaixo.



Lembro-me que toda vez que olhava para cima, via as luzes de suas lanternas e os olhos luminosos do Coto, o cachorro do guia que estava lá no alto também, porem outrora ele subia e voltava um pouco...


Nossa como a subida era cansativa, lembro-me que dava 5 passou e parava para descansar, o Ivan estava puto pois ele queria prosseguir, mas não dava para mim tinha que descansar mesmo, e nem demorava no descanso, era coisa de 30 segundo, arrumava a luva, tomava um arzinho e vamos nessa, em determinado momento ainda da subida mais íngreme, parei para colocar mais luvas e infinquei o piolet na neve e o Ivan que estava atrás de mim, emparelhou comigo e nisso a corda esbarrou no piolet e o arrancou do gelo, sendo assim fiquei sem o Piolet, pois quando fui procurá-lo, só enxergava neve voando vulcão abaixo..

Ai que lama, nisso substitui o piolet pelo meu bastão de caminhada que estava na outra mão, porem como a outra mão ficou sem nada, eu esquecia de movimentá-la e em determinado momento não sentia mais o meu braço esquerdo.

Lembro-me também que quando chegamos num platô assim que acabava a subida íngreme o Ivan ficou bem desidratado e deu diarréia nele lá no alto..Putz que lama, ele arreou as calças ali mesmo e Deus seja louvado, eu nem quis olhar... fiquei com uma pena dele, Cagando a mais de 5 mil metros de altitude num frio de -10º amarrado com dois homens as 05:00 da manha tadinho..

Enquanto o Ivan pagava pelos pecados dele com a bunda na neve, eu estava conferindo o meu equipamento, e tentando tirar uma foto, e só tive decepção , percebi que meus bolsos estavam abertos e não tinha quase comida alguma comigo, percebi também que a minha água que estava comigo havia congelado, e outra coisa bem pior de todas a bateria da minha câmera fotográfica, havia acabado ali naquele momento, só havia dado para tirar algumas fotos do amanhecer lá de cima..estava puto..ahh estava bem puto...



Retomamos a caminhada e percebemos que o grupo do Mauricio estava parado lá no alto, pensei que eles estavam nos esperando, mas mudei logo de idéia assim que percebi que eles não seriam tão tolos de esperar ali naquela friaca...

O guia nos informou que o Cachorro havia caído na greta, na hora não entendi muito bem, mas quando chegamos na altura onde os meninos estavam sentados, percebemos um grande buraco a direita da trilha e o Guia repetiu que o cachorro havia caído na greta, chegamos bem perto do buraco e não conseguíamos ver nada, a não ser um grande buraco negro com neve voando..



Continuamos a subida assim um tanto apreensivos pois o cão havia caído no buraco...que medo bateu..Mas logo logo esse medo foi substituído por outro, tinha um lugar por onde íamos passar que era bem estreito e com abismos do lado..assim que passamos foi um alivio geral, e daquele lugar para cima a neve estava mais alta, já tampando nossa canela.

Olhava para cima e nem enxergava mais os meninos.. subimos ainda por mais 3 horas e meia, aos trancos e barrancos, quando eu estava já enxergando o topo do vulcão e vendo a fumacinha sair da cratera, o Guia para e fala para voltarmos, pois estávamos caminhando muito lento, e ainda gastaríamos mais de 02 horas para chegar até o cume.

Eu não me conformei e tentei falar alguma coisa, pois já estava a ver o cume que estava pertinho. O guia na maior calma do mundo disse,não vai dar tempo pois o gelo já começou a derreter e estar a formar gretas..



Nisso o Ivan também se manifestou dizendo que achava melhor descer mesmo pois as gretas eram perigosas e relembrou o que havia acontecido com o Coto. Nesse momento não pensei duas vezes, concordei com os dois, fizemos ali mais fotos com a maquina do Ivan, registramos a altitude 5700 metros e iniciamos a descida..a partir daquele momento eu torcia para que o Mauricio e o Bulhões chegassem lá no alto com segurança...

2 comentários:

Sandra disse...

Nossa que aventura doida foi essa wev's. Otimas fotos. tadinho do cachorro, qual que era?

B R E N A disse...

Que revolta foi essa no começo do post, gente?! hehehe